Segunda-feira
15 de Outubro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
25ºC
Min
20ºC
Encoberto com Chuvas

Terça-feira - Rio de ...

Máx
26ºC
Min
19ºC
Chuvas Isoladas

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Vitória contra dispositivo da Lei Maria da Penha que fere prerrogativa da magistratura

O presidente Michel Temer publicou com vetos, nesta quinta-feira (9), a lei que altera a Lei Maria da Penha. Foi vetado o artigo que permitiria à autoridade policial conceder medidas protetivas de urgência. “É mais uma conquista da magistratura. A Casa Civil e o próprio presidente compreenderam a importância do assunto. Sem prejudicar carreira alguma, ficou preservada a instituição Poder Judiciário”, disse o presidente da AMB, Jayme de Oliveira. Ele destacou o trabalho da associação contra o artigo que prejudicava as prerrogativas da magistratura. “Dentre os trabalhos que fizemos no Congresso, um deles foi a Lei Maria da Penha. Fomos ao Palácio do Planalto, levamos a nossa nota técnica e conversamos na Casa Civil. Fizemos vários movimentos, que culminaram no veto. Apesar de todas as dificuldades, estamos conseguindo passo a passo alcançar os nossos objetivos”, afirmou o presidente da AMB. A justificativa de Temer para o veto do artigo que dava à polícia conceder medidas protetivas é de que algumas alterações à lei original invadiriam “competência afeta ao Poder Judiciário”, além de “estabelecer competência não prevista para as polícias civis”. Alterações As mudanças da Lei Maria da Penha visam aumentar o rigor das punições sobre crimes domésticos, em especial a homens que agridem física ou psicologicamente uma mulher. Na nova legislação, está previsto o direito da mulher vítima de violência doméstica e familiar a ter atendimento policial especializado, ininterrupto e prestado preferencialmente por servidores do sexo feminino. Além disso, apresenta procedimentos e diretrizes sobre como será feita a inquirição dessa mulher vítima de crime. Dentre as diretrizes está a de salvaguardar a integridade física, psíquica e emocional da mulher vítima desse tipo de violência; a garantia de que em nenhuma hipótese ela ou suas testemunhas tenham contato direto com investigados, suspeitos ou pessoas a eles relacionados; e a “não revitimização” do depoente, de forma a evitar “sucessivas inquirições sobre o mesmo fato nos âmbitos criminal, civel e administrativo”. Com relação aos procedimentos relativos ao interrogatório, prevê que seja feito por profissional especializado e em “recinto especialmente projetado para esse fim, com equipamentos próprios e adequados à idade da mulher. A lei propõe ainda que seja priorizada a criação de Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deams), de Núcleos Investigativos de Feminicídio e de equipes especializadas para o atendimento e a investigação das violências graves contra a mulher.
Visitas no site:  179449
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.