Quarta-feira
17 de Janeiro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
36ºC
Min
23ºC
Poss. de Panc. de Ch

Quinta-feira - Rio de ...

Máx
37ºC
Min
23ºC
Predomínio de

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,22 3,22
EURO 3,93 3,93
LIBRA ES ... 4,43 4,43
GUARANI 0,00 0,00

Últimas notícias

TJ-TO atende OAB e revoga portaria ilegal que prejudicava a advocacia

O corregedor-geral de Justiça do Tocantins, desembargador Helvécio Maia Brito, revogou portaria da juíza da 1ª Vara Cível da Comarca de Araguaína, Adalgiza Viana de Santana, que prejudicava em cheio a advocacia da cidade. A anulação atendeu pedido formal do presidente da OAB-TO (Ordem dos Advogados do Brasil no Tocantins), Walter Ohofugi, que contou com o respaldo da Procuradoria de Defesa de Prerrogativas e Valorização da Advocacia. A solicitação da OAB também foi motivada por pedido dos advogados da Subseção de Araguaína. A portaria, desrespeitando a legislação vigente e até a Constituição, exigia que as procurações dos advogados e das advogadas para levantar alvarás tivessem “número do processo, vara, comarca, valor a ser levantado e poderes para levantamento”. Esse tipo de exigência, além de afrontar as prerrogativas, não faz parte dos requisitos legais previstos, o que provocava um enorme transtorno ao profissional que precisava sair correndo atrás de nova procuração. "As prerrogativas profissionais dos advogados constituem um conjunto de direitos garantidos àquele que regularmente exerce a advocacia no País, não podendo ser confundida com privilégio. É inadmissível no Estado Democrático de Direito desrespeito às prerrogativas da Advocacia, sendo o advogado parte da estrutura fundamental da democracia. As exigências contidas na sentença, bem como na Portaria 002/2017, são, além de ilegais, inconstitucionais", ressalta texto do pedido da OAB-TO. Na decisão, o desembargador foi claro ao destacar os problemas da portaria do documento: “Acolho o Parecer ASJCGJUS nº 706/2017, da MM. Juíza Auxiliar da Corregedoria Geral da Justiça, Dra. Rosa Maria Gazire Rossi, por seus fundamentos, e DETERMINO a imediata revogação da Portaria nº 002/2017, expedida pela MM. Juíza de Direito da 1ª Vara Cível da Comarca de Araguaína, visando a afastar interpretações restritivas quanto ao direito de advogados ao levantamento de valores relativos a alvarás judiciais, provenientes de depósito judicial, quando detêm poderes especiais na procuração para receber e dar quitação.” Para o presidente da OAB, o corregedor-geral viu os problemas causados pela portaria e tomou as medidas saneadoras. “Não poderia persistir aquela afronta às nossas prerrogativas. A advocacia estava sofrendo com a manutenção das exigências”, frisou Ohofugi. A decisão de Helvécio Maia tem data de 21 de setembro. Clique aqui e leia a decisão do desembargador.
Fonte:
OAB
09/11/2017 (00:00)
Visitas no site:  122473
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.