Sábado
23 de Junho de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Domingo - Rio de Janei...

Máx
24ºC
Min
20ºC
Chuva

Segunda-feira - Rio de...

Máx
21ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,74 3,74
EURO 4,37 4,37
LIBRA ES ... 5,00 5,00
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Seção de Direito Público nega pedido de professores

Em reunião da Seção de Direito Público do Tribunal de Justiça do Pará, realizada nesta terça-feira, os desembargadores, em feitos relatados pela desembargadora Maria Elvina Gemaque, negaram pedido em Mandado de Segurança a dois professores estaduais. Cely Valente, requereu através de ação mandamental, sua remoção, objetivando a unificação de sua carga horária em apenas um estabelecimento de ensino. A autora da ação fez o pedido argumentando ter dificuldades de locomoção por conta de persas patologias, o que lhe causa transtorno para cumprir as cargas horárias nas duas escolas onde leciona. O pedido foi negado pelos integrantes da Seção de Direito Público, que decidiram com base nas jurisprudências atuais, onde fica estabelecido ser de competência da própria Administração Pública a remoção de servidores, ressaltando-se o juízo de conveniência e oportunidade da Administração, em seu poder discricionário. Também foi negado o pedido feito em Mandado de Segurança impetrado por Julião Cristo Júnior, que recorreu à Justiça a fim de que fosse restabelecido a sua carga horária, a qual havia sido diminuída em 100 horas durante o gozo de licença saúde. Julião contava com 200 horas para o cargo de professor e 150 horas para o cargo de técnico em educação. Os desembargadores resolveram julgar extinta a ação com resolução de mérito, considerando não haver respaldo legal para acolher o pedido do autor no sentido de restabelecer ou manter sua carga horária mensal. Conforme a decisão, “se apresenta inviável impor à Administração obrigação de manter a totalidade das horas suplementares do impetrante (autor), vez que a fixação de jornada de trabalho extraordinária está adstrita ao interesse público levando em conta os critérios de conveniência e oportunidade típicos do poder discricionário da Administração”. A decisão da Seção seguiu as jurisprudências dos tribunais superiores.
Fonte:
TJ Para
06/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  154414
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.