Quinta-feira
20 de Setembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
28ºC
Min
21ºC
Pancadas de Chuva a

Sexta-feira - Rio de J...

Máx
27ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva a

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,13 4,14
EURO 4,83 4,83
LIBRA ES ... 5,44 5,44
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

RF2: é válida atuação de leiloeiro público para imóvel em execução judicial

Publicado em 05/03/2018A Quinta Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2a Região (TRF2) decidiu, por unanimidade, confirmar a sentença que negou o pedido da autora, P.P.A., de que fosse anulada a arrematação de seu imóvel, levado a leilão em ação de execução judicial. P.P.A. tentou impedir a execução argumentando que a atuação de leiloeiro público nas arrematações de bens imóveis por execução de sentença seria irregular, tendo em vista o disposto no artigo 19, parágrafo único, do Decreto 21.981/32, que regula a profissão de leiloeiro.Entretanto, a sentença julgou improcedentes os embargos, sob o fundamento de que não teria havido qualquer indicação concreta de prejuízo em desfavor dela em decorrência da nomeação do leiloeiro, sobretudo em razão de o imóvel ter sido arrematado por preço superior a 50% do valor de avaliação. No TRF2, o entendimento foi no mesmo sentido. O relator do processo, desembargador federal Aluisio Mendes, considerou que “não houve qualquer irregularidade quanto à atuação de leiloeiro público na realização de hasta pública do imóvel, mesmo que por execução de sentença”.Segundo o magistrado, foram observados os requisitos legais exigidos para a realização do procedimento, tendo sido indicado, inclusive, leiloeiro oficial, “de modo que houve a escolha de pessoa com credibilidade, considerada apta para a realização dos atos necessários e que desempenhou sua tarefa sem ofender qualquer interesse das partes”. O desembargador ressaltou ainda que o Código de Processo Civil/1973, vigente à época dos fatos, nos termos dos artigos 243 e 244, privilegiava a validade dos atos processuais, desde que os fins de justiça do processo e a finalidade do ato fossem alcançados, o que também está previsto nos artigos 276 e 277 do Novo CPC/2015.“Deste modo, afigura-se irrepreensível o entendimento fixado na sentença, porquanto, à luz do princípio da instrumentalidade das formas, não se revela razoável o desfazimento da arrematação sob a invocação de que seria irregular a atuação de leiloeiro público”, concluiu o relator.Processo 0065882-12.2015.4.02.5101
05/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  174725
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.