Terça-feira
11 de Dezembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
33ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Rio de ...

Máx
33ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,91 3,91
EURO 4,46 4,46
LIBRA ES ... 4,94 4,94
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

RF2: é válida atuação de leiloeiro público para imóvel em execução judicial

Publicado em 05/03/2018A Quinta Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2a Região (TRF2) decidiu, por unanimidade, confirmar a sentença que negou o pedido da autora, P.P.A., de que fosse anulada a arrematação de seu imóvel, levado a leilão em ação de execução judicial. P.P.A. tentou impedir a execução argumentando que a atuação de leiloeiro público nas arrematações de bens imóveis por execução de sentença seria irregular, tendo em vista o disposto no artigo 19, parágrafo único, do Decreto 21.981/32, que regula a profissão de leiloeiro.Entretanto, a sentença julgou improcedentes os embargos, sob o fundamento de que não teria havido qualquer indicação concreta de prejuízo em desfavor dela em decorrência da nomeação do leiloeiro, sobretudo em razão de o imóvel ter sido arrematado por preço superior a 50% do valor de avaliação. No TRF2, o entendimento foi no mesmo sentido. O relator do processo, desembargador federal Aluisio Mendes, considerou que “não houve qualquer irregularidade quanto à atuação de leiloeiro público na realização de hasta pública do imóvel, mesmo que por execução de sentença”.Segundo o magistrado, foram observados os requisitos legais exigidos para a realização do procedimento, tendo sido indicado, inclusive, leiloeiro oficial, “de modo que houve a escolha de pessoa com credibilidade, considerada apta para a realização dos atos necessários e que desempenhou sua tarefa sem ofender qualquer interesse das partes”. O desembargador ressaltou ainda que o Código de Processo Civil/1973, vigente à época dos fatos, nos termos dos artigos 243 e 244, privilegiava a validade dos atos processuais, desde que os fins de justiça do processo e a finalidade do ato fossem alcançados, o que também está previsto nos artigos 276 e 277 do Novo CPC/2015.“Deste modo, afigura-se irrepreensível o entendimento fixado na sentença, porquanto, à luz do princípio da instrumentalidade das formas, não se revela razoável o desfazimento da arrematação sob a invocação de que seria irregular a atuação de leiloeiro público”, concluiu o relator.Processo 0065882-12.2015.4.02.5101
05/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  190727
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.