Quarta-feira
17 de Janeiro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
36ºC
Min
23ºC
Poss. de Panc. de Ch

Quinta-feira - Rio de ...

Máx
37ºC
Min
23ºC
Predomínio de

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,22 3,22
EURO 3,93 3,93
LIBRA ES ... 4,43 4,43
GUARANI 0,00 0,00

Últimas notícias

Questões enfrentadas por mulheres negras pautam debate na OAB/RJ

O Direito a partir do olhar das mulheres negras foi o norte da palestra realizada pelo Grupo de Trabalho Mulheres Negras da OAB Mulher, criado esse ano pela Seccional. O evento, com o tema Perspectivas negras do Direito, aconteceu na última quarta-feira no Salão Nobre Modesto da Silveira, e teve diferentes pontos de vista apresentados por advogadas negras que atuam em persas áreas. "Entendemos que a Ordem precisa de interação social. São muitas mulheres negras atuando no Direito, nosso lugar é de mulheres negras com acesso a ensino superior e conhecimento das leis. Não atuamos só contra o racismo, temos colegas que atuam em persas áreas, trata-se de uma reparação das dificuldades profissionais que temos. O nome do grupo não é advogadas negras porque estamos preocupadas com a opressão das mulheres negras em toda a sociedade", afirmou a coordenadora do GT Mulheres Negras, Marina Marçal, na abertura. Ela foi a mediadora do debate. A presidente da OAB Mulher, Marisa Gaudio, explicou porque a comissão decidiu criar o grupo de trabalho: "Temos muitos temas importantes. É necessário alguém que tenha um olhar diferente para trabalhar determinadas questões. Além disso, o trabalho integrado com as subseções é fundamental, a troca de informações ajuda muito. Nós mulheres precisamos de mais espaço, e ele será conquistado por nós mesmas". A advogada Rhaysa Ruas fez a primeira palestra, sobre Racismo institucional e acesso à Justiça. "Transformar nossos debates públicos em conversa também faz parte do nosso viver, do nosso ser enquanto mulher negra nesses espaços. Quando se pensa em racismo institucional é importante ter em mente o que se entende por racismo, que vai muito além dos atos cotidianos de violências pontuais, do xingamento, da humilhação inpidual. Infelizmente é muito mais do que isso", argumentou. Em seguida, as advogadas Jéssica Oliveira e Caroline Santos falaram sobre Dano moral com recorte racial e de classe e Estigmatização das favelas, respectivamente, enquanto a juíza Adriana Cruz abordou a temática Mulheres negras no Judiciário.
10/11/2017 (00:00)
Visitas no site:  122423
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.