Terça-feira
11 de Dezembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
33ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Rio de ...

Máx
33ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,91 3,91
EURO 4,46 4,46
LIBRA ES ... 4,94 4,94
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Presidente da Cojes esclarece protesto de título executivo judicial

Nádia Mendes Ferramenta para alcançar a efetividade da prestação jurisdicional, o protesto de decisão judicial transitada em julgado está previsto no artigo 517 do Código de Processo Civil e pode ser utilizado sempre que a obrigação estampada no título for líquida, certa e exigível. Diferentemente da sentença, o protesto produz uma publicidade específica de pulgação da inadimplência, constituindo-se, assim, como meio eficaz para adimplir obrigações. O presidente da Comissão Judiciária de Articulação dos Juizados Especiais (Cojes) do Tribunal de Justiça (TJ), desembargador Joaquim Domingos de Almeida Neto explica que o protesto de decisões judiciais no Estado do Rio de Janeiro ocorre exclusivamente por meio eletrônico, no Portal de Serviços do TJ do Rio de Janeiro, e pode ser feito pelo advogado ou pela parte, quando habilitada. A certidão é emitida eletronicamente pelo sistema e encaminhada ao Instituto de Estudos de Protesto de Títulos do Brasil, Seccional Rio de Janeiro, que faz a transmissão dos dados ao serviço extrajudicial com atribuição de protesto de títulos competente para a prática do ato extrajudicial, conforme determinado no Ato Executivo Conjunto 18/2016. “O que deve ficar bem claro é que o protesto da sentença é mais um instrumento que objetiva compelir o devedor ao cumprimento da obrigação. A expedição da certidão de teor da decisão, não leva a extinção do processo, não obsta a penhora, nem a adoção de outras medidas indutivas, coercitivas, mandamentais ou sub-rogatórias, necessárias ao cumprimento da obrigação”, destaca o desembargador. Almeida Neto lembra que a extinção do processo só ocorre na hipótese de inexistir bens penhoráveis, e não pelo fato do credor ter levado a protesto a decisão judicial transitada em julgado. “É a ausência de bens passíveis de penhora que leva à extinção da execução e não o protesto”, pontua. É competência dos juizados especiais cíveis promover a execução dos seus julgados e a execução dos títulos extrajudiciais. Segundo o desembargador, essa é uma inovação em relação à Lei dos Juizados de Pequenas Causas, que não previa essa execução no texto original. “Ou seja, as decisões deveriam ser executadas nas varas cíveis. Contudo, em 1993, o art. 40 da Lei dos Juizados de Pequenas Causas foi alterado pela Lei 8.640/1993, o que permitiu a execução dos julgados no próprio sistema dos Juizados”, explica.
07/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  190686
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.