Terça-feira
11 de Dezembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
33ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Rio de ...

Máx
33ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,91 3,91
EURO 4,46 4,46
LIBRA ES ... 4,94 4,94
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Pagamento eletrônico pode gerar ganho de US$ 11 bi na capital paulista

Migração dos pagamentos para os meios eletrônicos traria benefícios de US$ 470 bilhões aumento de 0,19% no PIB A migração dos pagamentos para meios eletrônicos digitais nas 100 cidades do mundo mais modeladas para a eliminação do papel moeda pode trazer uma soma de benefícios líquidos de até US$ 470 bilhões por ano. Só em São Paulo, o valor chegaria a US$ 11 bilhões. Os dados são de um estudo encomendado pela Visa à Roubini ThoughtLab e considera benefícios líquidos o custo benefício entre aceitar pagamentos eletrônicos e permanecer no papel moeda. Do total de US$ 470 bilhões que essa transição traria para as 100 cidades analisadas, a maior parte (66,3%) iria para as empresas, que somariam benefícios líquidos de US$ 312 bilhões por ano. Para o governo, o total seria de US$ 130 bilhões enquanto para os consumidores, somaria US$ 28 bilhões. De acordo com o diretor de relações governamentais da Visa, Gustavo Noman, a dificuldade em mensurar os gastos feitos com o uso do papel moeda tem sido um dos grandes desafios para aumentar o avanço dos meios eletrônicos de pagamento. “Tudo tem um custo. Quem opta pelo dinheiro gasta US$ 180 por ano apenas para acessar seus recursos. Isso sem contar as empresas, que têm perda nas vendas, falta de troco e contratações necessárias de segurança”, explica Noman. Na análise de 15 anos feita pela pesquisa (de 2017 a 2032), também seriam adicionados um total de US$ 12 trilhões na atividade econômica mundial. Isso corresponde a um aumento de 0,19% do Produto Interno Bruto (PIB), 5 milhões de novos empregos, alta de 0,14% na produtividade e acréscimo de 0,16% nos salários. Cidades brasileiras Entre as 100 cidades analisadas pelo estudo, duas delas são brasileiras: São Paulo e Brasília, ambas classificadas como em estado de “amadurecimento digital”. Juntas, elas somariam mais de US$ 13 bilhões por ano em benefícios. Na cidade paulista sozinha, a soma seria de US$ 11 bilhões, sendo um total de US$ 7 bilhões para empresas, US$ 3 bilhões para o governo e US$ 1 bilhão para os consumidores. Já o resultado brasiliense somaria cerca de US$ 2 bilhões por ano, sendo US$ 1,4 bilhão para companhias, US$ 500 milhões para o Estado e US$ 200 milhões para os consumidores. Segundo o country manager da Visa no Brasil, Fernando Teles, o movimento no País está em expansão e há uma parceria entre todos os players da indústria e as autoridades fiscalizadoras e reguladoras para também incentivar o uso do cartão pelos brasileiros. “Se existe 10% da população que usa é porque já existem lugares que aceitam esse tipo de pagamento. Por isso, já estamos com um grupo de trabalho focado nessa expansão e também todo um trabalho em conjunto com a Abecs [Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços] para aumentar o uso do cartão de débito”, afirma. Desde o final do ano passado já existem no Rio de Janeiro e no município de Mauá, em São Paulo, tecnologias piloto de pagamento por aproximação no transporte público. O experimento deve durar de dois a três meses e terá sua conclusão e um projeto para maior regionalização já no fim deste mês e começo de abril. Obstáculos As condições de infraestrutura, os custos da adoção completa dos meios eletrônicos de pagamentos, as dificuldades no acesso e segurança plena e até a própria cultura dos consumidores, porém, ainda são barreiras para esse processo. Para Teles, o intuito seria reformular a estrutura do pagamento com cartão para possibilitar transações rápidas e fáceis com o NFC (do inglês, Near Field Communication – pagamento por aproximação). “A mudança, porém, é mais rápida do que foi no passado, já que essa é uma própria exigência do consumidor, que está cada vez menos tolerante com a perda de tempo. Além disso, temos a vantagem de o brasileiro gostar de tecnologia e estar mais aberto a aceitar essas transformações”, pondera o executivo da Visa. Ele reforça ainda que a transição também tem que partir da indústria e dos lojistas. “A ideia é fazer com que os sistemas se integrem para uma solução menor. A diminuição do plástico também vai acontecer, mas ele ainda é uma conveniência muito grande e, quem não se movimenta com o todo, fica de fora”, conclui.
08/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  190707
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.