Quarta-feira
26 de Setembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,06 4,06
EURO 4,78 4,78
LIBRA ES ... 5,33 5,33
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Mantida prisão preventiva de ex-prefeito de Igarapava (SP)

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou liminar no Habeas Corpus (HC) 155315, no qual a defesa do ex-prefeito de Igarapava (SP) Carlos Augusto Freitas, acusado de corrupção passiva, apropriação de bens ou rendas públicas e irregularidades em licitações, buscava a revogação da sua prisão preventiva. De acordo com os autos, o juízo da 2ª Vara de Igarapava considerou indispensável a prisão preventiva para garantir a ordem pública, a instrução processual e a aplicação da lei penal, aludindo à gravidade das imputações, à periculosidade dos agentes, ao fato de exercerem influência junto a servidores públicos e ao risco de fuga. No HC impetrado no Supremo, a defesa do acusado sustenta a inidoneidade da fundamentação do decreto prisional do juízo da 2ª Vara de Igarapava, pois não estariam preenchidos os pressupostos do artigo 312 do Código de Processo Penal. Argumenta que o ex-prefeito está afastado da atuação pública desde o fim do mandato e assinala a falta de contemporaneidade dos fatos, relativos aos anos de 2013 a 2016. Aponta também as suas condições pessoais favoráveis: primariedade, bons antecedentes e ocupação lícita. O relator verificou que o juízo da 2ª Vara de Igarapava, ao determinar a custódia, realçou que o ex-prefeito supostamente integra um grupo criminoso voltado à prática de desvios e apropriação de rendas e verbas públicas no âmbito da administração municipal, provocando prejuízos ao erário. O ministro Marco Aurélio afirmou que, sem prejuízo do princípio da não culpabilidade, a custódia se impõe no caso em razão da periculosidade sinalizada. “Daí ter-se como razoável e conveniente o pronunciamento atacado”, concluiu.
12/09/2018 (00:00)
Visitas no site:  175958
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.