Quarta-feira
19 de Setembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
29ºC
Min
18ºC
Poss. de Panc. de Ch

Quinta-feira - Rio de ...

Máx
28ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,14 4,14
EURO 4,84 4,84
LIBRA ES ... 5,44 5,44
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Juizado da Mulher de Maceió adota Justiça Restaurativa

O 4º Juizado da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher da Capital adota a prática da Justiça Restaurativa na Unidade, nesta sexta-feira (09/03, às 10h, na sede da unidade, localizada no centro, próximo a Praça Sinimbú. O projeto acontece por meio de um convênio entre o Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) e o Centro Universitário Tiradentes (Unit). De acordo com o juiz auxiliar da unidade, José Miranda Santos Júnior, o objetivo da Justiça Restaurativa é buscar a paz social entre as pessoas envolvidas, nesse caso, no delito de violência doméstica. “Não é uma conciliação. A intenção é que as pessoas envolvidas no processo de violência doméstica sigam seu caminho com coração tranquilo e deixam tudo que aconteceu para trás”, explicou o magistrado. No dia do lançamento serão apresentados a estrutura, os integrantes do projeto e o curso de formação realizado pela Escola Superior da Magistratura (Esmal). Na ocasião, haverá ainda uma apresentação do coral do Poder Judiciário de Alagoas. O objetivo é ampliar a utilização da prática para outras unidades, posteriormente. Justiça Restaurativa A Justiça Restaurativa é conhecida como uma técnica de solução de conflitos que prima pela criatividade e sensibilidade na escuta das vítimas e dos ofensores.“A mediação vítima-ofensor consiste basicamente em colocá-los em um mesmo ambiente com segurança jurídica e física para que se busque um acordo que implique na resolução de outras dimensões do problema como, por exemplo, a reparação de danos emocionais”, afirma o juiz Asiel Henrique de Sousa, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, pioneiro no uso da técnica no Brasil. A prática é incentivada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) por meio do Protocolo de Cooperação para a difusão da Justiça Restaurativa, firmado em agosto de 2014 com a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).
08/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  174437
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.