Quinta-feira
13 de Dezembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
36ºC
Min
23ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - Rio de J...

Máx
36ºC
Min
23ºC
Poss. de Panc. de Ch

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,86 3,86
EURO 4,39 4,39
LIBRA ES ... 4,88 4,88
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Juizado da Mulher de Maceió adota Justiça Restaurativa

O 4º Juizado da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher da Capital adota a prática da Justiça Restaurativa na Unidade, nesta sexta-feira (09/03, às 10h, na sede da unidade, localizada no centro, próximo a Praça Sinimbú. O projeto acontece por meio de um convênio entre o Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) e o Centro Universitário Tiradentes (Unit). De acordo com o juiz auxiliar da unidade, José Miranda Santos Júnior, o objetivo da Justiça Restaurativa é buscar a paz social entre as pessoas envolvidas, nesse caso, no delito de violência doméstica. “Não é uma conciliação. A intenção é que as pessoas envolvidas no processo de violência doméstica sigam seu caminho com coração tranquilo e deixam tudo que aconteceu para trás”, explicou o magistrado. No dia do lançamento serão apresentados a estrutura, os integrantes do projeto e o curso de formação realizado pela Escola Superior da Magistratura (Esmal). Na ocasião, haverá ainda uma apresentação do coral do Poder Judiciário de Alagoas. O objetivo é ampliar a utilização da prática para outras unidades, posteriormente. Justiça Restaurativa A Justiça Restaurativa é conhecida como uma técnica de solução de conflitos que prima pela criatividade e sensibilidade na escuta das vítimas e dos ofensores.“A mediação vítima-ofensor consiste basicamente em colocá-los em um mesmo ambiente com segurança jurídica e física para que se busque um acordo que implique na resolução de outras dimensões do problema como, por exemplo, a reparação de danos emocionais”, afirma o juiz Asiel Henrique de Sousa, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, pioneiro no uso da técnica no Brasil. A prática é incentivada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) por meio do Protocolo de Cooperação para a difusão da Justiça Restaurativa, firmado em agosto de 2014 com a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).
08/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  191197
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.