Quarta-feira
19 de Setembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
29ºC
Min
18ºC
Poss. de Panc. de Ch

Quinta-feira - Rio de ...

Máx
28ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,14 4,14
EURO 4,84 4,84
LIBRA ES ... 5,44 5,44
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Felipe e Lamachia comandarão desagravo a advogada nesta quarta

Os presidentes do Conselho Federal, Claudio Lamachia, e da OAB/RJ, Felipe Santa Cruz, comandarão sessão de desagravo em favor da advogada Marina Marçal, que teve suas prerrogativas violadas durante audiência realizada, em 2017, no Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região. O ato acontecerá nesta quarta-feira, dia 7, a partir das 9h, na Seccional. Marçal conta que, ao defender seu cliente em audiência ocorrida em 1º de junho do ano passado, pediu, ainda no início da conciliação, uma proposta do juízo. Em resposta, a magistrada Evelyn Correa de Guama Guimarães sugeriu a aceitação da proposta da ré e, em seguida, perguntou a idade da advogada. "Quando afirmei que não iria aceitar, ela perguntou quantos anos eu tinha, sugerindo falta de maturidade e experiência. Respondi que minha idade não era importante para a valoração do acordo", conta Marçal. De acordo com o relatório da Comissão de Prerrogativas, durante todo o tempo da audiência a postura da juíza foi no sentido de insinuar que uma jovem advogada não seria capaz de atuar no processo. Além disso, ao final da audiência, a magistrada proferiu uma sentença de R$ 1, mais multa referente ao Artigo 477 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). “Pedindo sinceras desculpas à magistrada, idade, gênero, raça, orientação sexual ou religião de qualquer pessoa não devem ser levados em consideração em qualquer âmbito social, ainda mais se tratando de um ato formal como uma audiência judicial”, afirmou a conselheira seccional Rita Cortez ao votar a favor da realização da sessão de desagravo, que é aberta a todos os colegas.
06/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  174444
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.