Quarta-feira
20 de Junho de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Domingo - Rio de Janei...

Máx
24ºC
Min
20ºC
Chuva

Segunda-feira - Rio de...

Máx
21ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,74 3,74
EURO 4,37 4,37
LIBRA ES ... 5,00 5,00
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Evento na 2ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso promove integração entre o Judiciário e a sociedade

Fomentar maior integração entre o Judiciário, o Poder Público e toda sociedade civil para proteger e priorizar a Infância e a Juventude. Esse foi o objetivo do evento realizado nesta terça-feira, dia 6, pela 2ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso durante a II Semana de Valorização da primeira Infância. “As dificuldades e as necessidades são muitas, mas temos pessoas que fazem a diferença”, afirmou a juíza titular da vara, Glória Heloiza Lima da Silva. “O Judiciário não pode estar sozinho. A Justiça não é feita apenas por um único personagem. Só conseguimos ter efetividade com a responsabilidade social de cada um como profissional, cidadão, pai, mãe”, afirmou a magistrada, destacando que, além de futuro, uma criança representa ingenuidade, felicidade e um fruto da nossa nação. Para ela, são fundamentais para crianças e adolescentes saúde, escola, amor, convivência familiar e dignidade. A juíza ressaltou ainda que é necessária uma aproximação maior entre o Judiciário e as famílias para estabelecer um vínculo de confiança. “Como uma família vai confiar em um juiz se ele é distante dela?”, questionou, defendendo uma justiça restaurativa, que trabalhe de forma horizontal, com parcerias e mais humanizada. “Nosso trabalho não é fácil por estar atrelado à afetividade”, disse. A desembargadora Ivone Caetano, também presente no encontro, lembrou que a primeira infância – que vai de zero a seis anos incompletos – é o período mais importante da vida do ser humano, quando o cérebro é formado. “Sem os devidos cuidados neste período, por mais que se tente consertar, sempre haverá alguma dificuldade” afirmou. A diretora da Unidade Municipal de Acolhimento Ana Carolina, Aline Pessanha, fez uma exposição sobre as boas práticas nos cuidados da primeira infância ressaltando a valorização da unidade de acolhimento, que não é um lugar de escolha, mas sempre algo imposto por uma medida de proteção. “O abrigo não tem que ser bom, tem que ser maravilhoso”, afirmou, destacando a necessidade de vínculos reais que gerem segurança, proteção e desenvolvimento e de qualificação do tempo de acolhimento com experiências positivas. “Não podemos fazer do acolhimento um parênteses na história da criança”, ressaltou a diretora. Em seguida, a psicóloga Aline Diniz, da equipe técnica da 2ª Vara da Infância, falou sobre a Abordagem Pikler nos cuidados da primeira infância. A técnica busca dar à criança o vínculo e ao mesmo tempo a independência de que ela necessita para se desenvolver em plenitude. Em sua fala, ela abordou os efeitos da ausência de cuidados adequados na primeira infância, entre eles, impactos no desenvolvimento físico, cognitivo e deficiência nutricional. De acordo com a psicóloga, cuidados apropriados envolvem estabelecer uma comunicação olho a olho, falar com o bebê (ritmo, cadência e entonação), segurar e manter contato com a pele. O evento contou ainda com a presença do secretário de Assistência Social do Município, Pedro Fernandes Neto, de representantes do Ministério Público, da Defensoria Pública, de abrigos e de maternidades. Saiba mais sobre a Abordagem Pikler: Com o objetivo de acolher crianças que tinham sido separadas de seus pais durante a Segunda Guerra Mundial, a médica húngara Emmi Pikler fundou um abrigo, na cidade de Budapeste, em 1946. Mais de 4 mil crianças passaram pelo local e, ao acompanhar seus desenvolvimentos, foi verificado que nenhuma delas apresentava sinais como apatia, falta de interesse pelo mundo exterior, atrasos no desenvolvimento afetivo, intelectual e/ou motor, que são comuns em casos de internamento prolongado em hospitais ou abrigos onde não é construído um vínculo afetivo. Ao contrário, as crianças do instituto chamavam a atenção pelo desembaraço, segurança, alegria, confiança no adulto e bom desenvolvimento emocional. O resultado positivo foi creditado a um ambiente que permitia o desenvolvimento pleno das capacidades motoras e uma relação estável e afetivamente rica entre o cuidador e a criança, pilares que fundamentam a Abordagem Pikler. Fotos: Felipe Cavalcanti/TJRJ SP/JM
06/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  153592
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.