Sábado
15 de Dezembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
38ºC
Min
22ºC
Pancadas de Chuva a

Domingo - Rio de Janei...

Máx
37ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva a

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,91 3,91
EURO 4,41 4,41
LIBRA ES ... 4,90 4,91
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Empresas lançam protesto nas redes sociais contra reajuste dos Correios

A partir do dia 6 de março, as tarifas dos serviços de Sedex e PAC para clientes de contrato dos Correios serão reajustadas em todo o país. A notícia foi recebida com protestos pelo e-commerce. Mercado Livre e Netshoes lançaram a campanha #FreteAbusivoNão contra o aumento da tarifa e questionam reajustes entre 8% e 51% nos serviços quando a inflação anual ficou em torno de 3%. Na página criada pelo Mercado Livre para questionar o reajuste há uma tabela com os novos valores. Um frete de PAC de Joinville (SC) para Fortaleza (CE), por exemplo, passa de R$ 54,02 para R$ 81,51, um reajuste de 50,89%. Se for de São Paulo (SP) para Brasília (DF), o valor sobe de R$ 14,10 para R$ 15,23, alta de 8%. Leandro Soares é um dos diretores do Mercado Livre e diz que o consumidor “não quer e não merece” pagar por um aumento tão grande. “Existem persas rotas entre cidades fora dos grandes centros que terão um aumento de até 51% no valor do frete. A média de aumento será de 29% de acordo com a tabela nova que recebemos dos Correios”. A Netshoes também questiona a porcentagem do reajuste e diz que os novos valores deve impactar negativamente nas vendas em regiões periféricas. Graciela Kumruian, chefe de operações da empresa, diz que eles esperam reduzir o impacto desse aumento para o consumidor, mas que será inevitável repassar parte do reajuste aos clientes. “Caso esse reajuste seja levado a diante, todos irão perder, inclusive os Correios, que optaram por uma medida simplista e abusiva em vez de encontrar maneiras criativas de revigorar o seu negócio”. Questionado sobre os valores do reajuste, os Correios responderam que “a Política Comercial dos Correios tem uma estratégia de precificação que segue a lógica do mercado e, mesmo com os aumentos de custos, a empresa busca o menor impacto possível nas praças mais relevantes para o e-commerce brasileiro. O reajuste médio de 8% vale para a maior parte dos envios atualmente realizados pelos Correios. Para alguns trechos, onde a demanda é menor, e os custos, maiores, o preço dos serviços reflete essa realidade”. Carro dos Correios roubado no estado do Rio de Janeiro em dezembro (Foto: Divulgação / PM)Taxa extra para o Rio de Janeiro Além do reajuste para todo o país, os Correios pulgaram a cobrança de uma taxa emergencial de R$ 3 para encomendas destinadas à cidade do Rio de Janeiro. Segundo a empresa, “a situação de violência chegou a níveis extremos e o custo para entrega de mercadorias nessa localidade sofreu altíssimo impacto”. O Procon do Rio de Janeiro entrou com uma ação civil pública na Justiça Federal contra essa cobrança e pede uma liminar para suspender o valor adicional, que considera abusivo e ilegal. A entidade afirma que “a quantia adicional discrimina os moradores da cidade do Rio”.
05/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  191587
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.