Terça-feira
22 de Maio de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,75 3,75
EURO 4,41 4,42
LIBRA ES ... 5,05 5,05
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Emprego "sem carteira" cresce no sudeste e chega a 38% do país

Motor da geração do emprego no país no ano passado, o trabalho informal – sem carteira assinada ou sem registro de pessoa jurídica – cresceu em ritmos díspares nas diferentes regiões. De acordo com estudo da FGV Projetos, obtido pelo Valor, enquanto avançou fortemente no Sudeste, acima da média nacional, a informalidade perdeu peso no estoque total de empregados no Norte, por exemplo. Segundo o levantamento, o Sudeste gerou um milhão de empregos informais entre o fim de 2016 e o terceiro trimestre do ano passado. Isso significa que dois em cada três empregos informais surgidos no país no período (1,46 milhão) estão na região. O número de trabalhadores sem carteira ou registro na região aumentou em 8% no Sudeste, para 14 milhões, representando 38% do total nacional. Ricardo Simonsen, economista da FGV Projetos, explica que o movimento em direção à informalidade no Sudeste foi liderado por ramos dos serviços, que absorveram 497 mil trabalhadores. Já os setores de construção civil (192 mil) e indústria (112 mil) tiveram o maior crescimento proporcional de informais no Sudeste ao longo do período. “A confiança dos empresários ainda não foi completamente restaurada na recuperação econômica. Então, eles não contratam. Desta forma, é natural que o emprego apareça agora mais fortemente pela informalidade”, diz Simonsen, que desenvolveu a pesquisa com os especialistas de projetos Eduardo Rosseti e João Augusto Batista. Assim, o emprego sem registro passou a representar fatia maior do mercado de trabalho do Sudeste – e 32,2% para 34,3% entre o fim de 2016 e o terceiro trimestre de 2017. O peso cresceu menos no Sul (de 32,1% para 33,3%), Centro-Oeste (de 36,6% para 37,5%) e Nordeste (de 53,5% para 53,8%). No Norte, caiu de 56,4% para 55,6%. Na média nacional, 40,6% dos trabalhadores eram informais, acima dos 39,4% do fim de 2016. O trabalho informal é associado a atividades precárias, sem garantias trabalhistas e de menores salários. Na média nacional, um trabalhador registrado ganha 2,3 vezes mais que o sem carteira. Isso explica uma discrepância encontrada pela pequisa da FGV – embora represente 40,6% das pessoas ocupadas, a informalidade responde por apenas 23,2% da massa salarial, que foi de R$ 188,14 bilhões no terceiro trimestre do ano passado. Para chegar aos números, a FGV Projetos usou microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua). As regiões Norte e Nordeste seguem com os maiores proporções de trabalhadores informais no país. Segundo Rosseti, isso é explicado por questões estruturais na região, como o histórico de baixa escolaridade, defasagem industrial, agricultura pouco profissionalizada e concentração de jovens, que mais frequentemente se insere no mercado por meio de atividades informais. O estudo mostra ainda que as atividades de agropecuária e construção civil têm elevada incidência de ocupações informais, na média nacional. Do total de ocupados (empregados, empregadores, conta próprias), 79% são informais na agropecuária, 69% na construção civil, 53,5% em serviços, 38,1% no comércio e 29,3% na indústria. “Mas essas taxas variam pelas regiões. No Centro-Oeste, a informalidade é de 54,9% na agricultura, o menor percentual entre as regiões. Isso porque tem uma atividade mecanizada e não familiar. No Sul, a informalidade chega a 81,4% no setor. Apesar disso, muito agricultores do Sul são associados a cooperativas. Isso é interessante porque, embora informais, uma parcela considerável é contribuinte da Previdência Social”, afirma Rosseti.
05/02/2018 (00:00)
Visitas no site:  148635
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.