Domingo
23 de Setembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
30ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Segunda-feira - Rio de...

Máx
31ºC
Min
23ºC
Parcialmente Nublado

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,07 4,07
EURO 4,78 4,78
LIBRA ES ... 5,32 5,32
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

EMERJ promove Semana de Valorização da 1ª Infância

Das 42 mil mulheres presas no Brasil, 74% são mães. A vida, a situação e os direitos desses filhos foram debatidos na 2ª Semana de Valorização da 1ª Infância, promovida nesta segunda-feira (5) pelo Fórum Permanente da Criança, do Adolescente e da Justiça Terapêutica da EMERJ (Escola da Magistratura). A diretora do Escritório Regional do Rio de Janeiro do UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância), Luciana Phebo, destacou o trabalho do Judiciário fluminense no enfrentamento do problema. “O Estado do Rio de Janeiro, principalmente pelo TJ-RJ, foi o pioneiro em dar visibilidade a situação de mulheres e de grávidas em situação provisória. No ano passado, o Tribunal transformou seus procedimentos para priorizar as mães de crianças da primeira infância. Foi um pisor de águas.” Leia também: Ministros do STJ participam no Rio do Fonamec Lucia Glioche proíbe novas internações em educandário por superlotação Prêmio Innovare 2018 será lançado em 8 de março A presidente da AMAERJ, Renata Gil, prestigiou o evento, que teve a participação dos desembargadores Claudio de Mello Tavares (corregedor-geral da Justiça) e Ricardo Rodrigues Cardozo (diretor-geral da EMERJ), da juíza Raquel Chrispino (membro da coordenadoria de Articulação das Varas de Infância, Juventude e Idoso do TJ-RJ), do promotor de Justiça Rodrigo Medina (coordenador do Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude do MP-RJ) e de Luciana Phebo. “As violações de direitos, muitas vezes, estão invisíveis. Dar visibilidade a situação de vulnerabilidade de mães, pais e crianças é extremamente importante. É uma questão urgente para que a primeira infância tenha direitos garantidos, valorização na saúde e na convivência familiar. É preciso uma sociedade justa, protetiva, que faz o bem a si mesmo”, disse a diretora do UNICEF. O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) identificou em janeiro pelo menos 622 mulheres grávidas ou mães de recém-nascidos, em fase de amamentação, atrás das grades. Em 20 de fevereiro, a 2ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu conceder habeas corpus coletivo para determinar a substituição da prisão preventiva por domiciliar de mulheres que sejam gestantes, mães de crianças de até 12 anos e de pessoas com deficiência. Os tribunais terão 60 dias para cumprir a determinação. Vencedor do 5º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos e do Prêmio Innovare 2017, o juiz Fernando Augusto Chacha fez uma apresentação sobre o projeto “Amparando Filhos – Transformando Realidades”, do TJ de Goiás, que visa proteger integralmente crianças e adolescentes e combater a desestruturação familiar. Idealizado por Chacha, o projeto tem como objetivo humanizar o encontro de mães presas com seus filhos, promovendo o acompanhamento integral dessas crianças e adolescentes por meio de visitas de equipes multidisciplinares, com amparo pedagógico, psicológico, afetivo e financeiro. “O sistema prisional não foi feito para mulheres. Quando se estuda a genética normativa das unidades prisionais, se vê de imediato que é feito para homens. Se o sistema não foi projetado para mulheres, por que temos mães e seus filhos em um ambiente prisional? O que isso acarreta para a criança, que não tem responsabilidade penal? Em Goiás, fizemos um mapeamento integral do Estado para saber com quem, onde e como estão os filhos de mães que estão encarceradas”, afirmou Chacha. Na segunda parte do evento, a juíza Ana Florinda Dantas, do Tribunal de Justiça de Alagoas, também apresentou o Projeto Nacional Pai Presente, que objetiva estimular o reconhecimento de paternidade de pessoas sem registro. A diretora do UNICEF, Luciana Phebo, destacou a importância de difundir as práticas apresentadas na Semana de Valorização da 1ª Infância. “O UNICEF, que atua em mais de 190 países, tem a intenção de promover essas trocas de experiências bem-sucedidas e levar para diferentes municípios, sempre dando visibilidade para crianças e famílias que estejam em uma situação de vulnerabilidade.”
Visitas no site:  175439
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.