Terça-feira
11 de Dezembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
33ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Rio de ...

Máx
33ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,91 3,91
EURO 4,46 4,46
LIBRA ES ... 4,94 4,94
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

EMERJ promove Semana de Valorização da 1ª Infância

Das 42 mil mulheres presas no Brasil, 74% são mães. A vida, a situação e os direitos desses filhos foram debatidos na 2ª Semana de Valorização da 1ª Infância, promovida nesta segunda-feira (5) pelo Fórum Permanente da Criança, do Adolescente e da Justiça Terapêutica da EMERJ (Escola da Magistratura). A diretora do Escritório Regional do Rio de Janeiro do UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância), Luciana Phebo, destacou o trabalho do Judiciário fluminense no enfrentamento do problema. “O Estado do Rio de Janeiro, principalmente pelo TJ-RJ, foi o pioneiro em dar visibilidade a situação de mulheres e de grávidas em situação provisória. No ano passado, o Tribunal transformou seus procedimentos para priorizar as mães de crianças da primeira infância. Foi um pisor de águas.” Leia também: Ministros do STJ participam no Rio do Fonamec Lucia Glioche proíbe novas internações em educandário por superlotação Prêmio Innovare 2018 será lançado em 8 de março A presidente da AMAERJ, Renata Gil, prestigiou o evento, que teve a participação dos desembargadores Claudio de Mello Tavares (corregedor-geral da Justiça) e Ricardo Rodrigues Cardozo (diretor-geral da EMERJ), da juíza Raquel Chrispino (membro da coordenadoria de Articulação das Varas de Infância, Juventude e Idoso do TJ-RJ), do promotor de Justiça Rodrigo Medina (coordenador do Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude do MP-RJ) e de Luciana Phebo. “As violações de direitos, muitas vezes, estão invisíveis. Dar visibilidade a situação de vulnerabilidade de mães, pais e crianças é extremamente importante. É uma questão urgente para que a primeira infância tenha direitos garantidos, valorização na saúde e na convivência familiar. É preciso uma sociedade justa, protetiva, que faz o bem a si mesmo”, disse a diretora do UNICEF. O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) identificou em janeiro pelo menos 622 mulheres grávidas ou mães de recém-nascidos, em fase de amamentação, atrás das grades. Em 20 de fevereiro, a 2ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu conceder habeas corpus coletivo para determinar a substituição da prisão preventiva por domiciliar de mulheres que sejam gestantes, mães de crianças de até 12 anos e de pessoas com deficiência. Os tribunais terão 60 dias para cumprir a determinação. Vencedor do 5º Prêmio AMAERJ Patrícia Acioli de Direitos Humanos e do Prêmio Innovare 2017, o juiz Fernando Augusto Chacha fez uma apresentação sobre o projeto “Amparando Filhos – Transformando Realidades”, do TJ de Goiás, que visa proteger integralmente crianças e adolescentes e combater a desestruturação familiar. Idealizado por Chacha, o projeto tem como objetivo humanizar o encontro de mães presas com seus filhos, promovendo o acompanhamento integral dessas crianças e adolescentes por meio de visitas de equipes multidisciplinares, com amparo pedagógico, psicológico, afetivo e financeiro. “O sistema prisional não foi feito para mulheres. Quando se estuda a genética normativa das unidades prisionais, se vê de imediato que é feito para homens. Se o sistema não foi projetado para mulheres, por que temos mães e seus filhos em um ambiente prisional? O que isso acarreta para a criança, que não tem responsabilidade penal? Em Goiás, fizemos um mapeamento integral do Estado para saber com quem, onde e como estão os filhos de mães que estão encarceradas”, afirmou Chacha. Na segunda parte do evento, a juíza Ana Florinda Dantas, do Tribunal de Justiça de Alagoas, também apresentou o Projeto Nacional Pai Presente, que objetiva estimular o reconhecimento de paternidade de pessoas sem registro. A diretora do UNICEF, Luciana Phebo, destacou a importância de difundir as práticas apresentadas na Semana de Valorização da 1ª Infância. “O UNICEF, que atua em mais de 190 países, tem a intenção de promover essas trocas de experiências bem-sucedidas e levar para diferentes municípios, sempre dando visibilidade para crianças e famílias que estejam em uma situação de vulnerabilidade.”
Visitas no site:  190761
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.