Segunda-feira
18 de Junho de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Domingo - Rio de Janei...

Máx
24ºC
Min
20ºC
Chuva

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
21ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,74 3,74
EURO 4,37 4,37
LIBRA ES ... 5,00 5,00
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Educação desarma violência contra a mulher

A educação das novas gerações assegura a rejeição à violência contra a mulher como atitude firme em defesa da cultura de igualdade entre os gêneros. Essa é a convicção da desembargadora Diracy Nunes Alves, que coordena no âmbito do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA) as ações em defesa das mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. "Não basta ao Judiciário julgar. Tem que educar, pulgar que as mulheres, além de terem conhecimento de seus direitos, precisam exercê-los", adverte, ao explicar o sentido das semanas da Justiça pela Paz em Casa, cuja 10ª edição envolve o Judiciário de todo o País em ações para acelerar a tramitação de processos relacionados a crimes de violência contra as mulheres. "O Judiciário sai das salas de audiências, vai às ruas ao encontro dessas mulheres, para que elas tenham coragem de quebrar o ciclo de violência", diz a desembargadora. Na perspectiva da educação, ela ressalta o papel do projeto "Judiciário na Escola - unindo esforços no enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher”, que, segundo a desembargadora, tem dado um retorno muito bom. "Eu penso que, com a educação, é possível um debate sobre o tema. Nós sabemos que há muitos jovens que assistem nas suas casas esse tipo de violência, seja ela moral, física, psicológica, patrimonial, e eles acham natural, porque não houve ninguém que dissesse que agressão de gênero não é natural", frisa a magistrada. O projeto consiste na capacitação de professores para dialogar com seus alunos sobre as questões de gênero. "Em Marabá, nós tivemos uma experiência excelente na rede municipal, todos os técnicos, coordenadores, professores, diretores, com depoimentos impressionantes, a vivência deles com a comunidade onde trabalham, eles conhecem todos os seus alunos e sabem quando um deles chega com um comportamento diferente em sala de aula", observou a desembargadora. INTERAÇÃO Um dos relatos que mais a impressionou foi o de um professor de uma adolescente que sofria violência sexual pelo padrasto e a mãe sabia, mas encobria. "A adolescente não tinha como se defender, a mãe não acreditava nela, então há essa interação dos professores com os alunos. Nós esperamos um resultado bom; aqui em Belém nós já tivemos alguns frutos desse trabalho nas escolas, os próprios alunos encenaram uma peça teatral, temos sentido que o caminho é por aí", diz ela. A proposta é chegar a mais municípios. "Estamos em contato com todos os magistrados que estão à frente do combate à violência contra a mulher, alguns têm dificuldade, mas estão sendo receptivos, pedindo e a gente, na medida do possível, se desloca", diz ela. Em Marabá, a desembargadora assinou um termo de cooperação técnica com a Prefeitura para capacitar professores no âmbito do projeto Judiciário na Escola. "A gente teve oportunidade de levar também a Redenção e estamos precisando estender na região nordeste; Ananindeua já está atendido e, em Santarém, há um excelente trabalho de uma organização de promotores e magistrados, que, antes de nós, já levavam isso às escolas, com ciclos de construção entre pais e adolescentes". MENSAGEM Pelo Dia Internacional da Mulher, nesta quinta-feira, 8, a desembargadora Diracy Nunes redigiu a seguinte mensagem em nome da Coordenadoria Estadual de Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar do TJPA: "A história humana é repleta de preconcepções errôneas, injustas, discriminatórias e mal intencionadas que afetam incontáveis grupos humanos de forma intensa. Nesse contexto, a mulher tem experimentado os efeitos negativos da preconcepção e isso precisa mudar para o bem estar geral das mulheres e de todos. É com amor, vontade, autoconfiança, fé, determinação, sabedoria, esforço, coragem, otmismo e com respeito que nós, mulheres, venceremos as barreiras a nós impostas. E nesse percurso estamos derramando muitas lágrimas, sofrendo todos os tipos de violência. Entretanto, temos nos mantido firmes e convencidas de que temos méritos, direitos e obrigações como todos. Feliz dia para todas as mulheres!"
Fonte:
TJ Para
07/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  152979
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.