Terça-feira
11 de Dezembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
33ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - Rio de ...

Máx
33ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,91 3,91
EURO 4,46 4,46
LIBRA ES ... 4,94 4,94
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Desafios para a solução de conflitos e avanços são debatidos durante evento no Fonamec

Impactos da Mediação na Atividade Judicial e a Mediação na Recuperação Judicial foram os temas abordados na tarde desta quinta-feira, dia 08, durante o Congresso Internacional sobre Inovação e Mediação, que faz parte do VI Fórum Nacional da Mediação e Conciliação (Fonamec), realizado no auditório da Escola da Magistratura do Estado do Rio (Emerj). A magistrada espanhola Ana María Carrascosa Miguel iniciou a palestra com destaque para os desafios em torno dos Impactos da Mediação na Atividade Judicial. Ela afirmou que é necessário melhorar o sistema legal para avançar. “Precisamos fazer alguns ajustes, simplificando as formas de acesso. Combinar adequadamente a lei com as os desafios da mediaçãotradições e costumes de maneira comunicativa para resolução de conflito através da mediação”, disse. No encontro, o mediador foi o juiz Flávio Crocce Caetano. Ele destacou que mediação representa a cultura da paz, um novo conceito para melhorar a relação entre as partes e evitar o litígio. O magistrado ressalta a importância de se valorizar a atividade. “É necessário criar uma disciplina nas universidades de Direito sobre o assunto”, destacou, ao defender uma política de ações para resolução de conflitos, como um pacto nacional da mediação com medidas a curto, médio e longo prazo. No painel abordando o tema “Mediação na Recuperação Judicial”, a advogada Ana Tereza Basílio explicou a importância da mediação envolvendo o tema, principalmente em momentos de crise financeira. Ela citou a empresa Oi como exemplo que teve bastante repercussão por ser conduzido através da mediação. “O caso Oi serviu para inspirar a consolidação da cultura da mediação. Mesmo quando há restrições legais para celebração de transações, como é o caso de um processo de recuperação judicial. Ou seja, numa situação em que mesmo com restrições legais, é possível, e com êxito, realizar a mediação. O projeto teve tanta repercussão que o CNJ premiou o juiz responsável, Fernando Viana, em razão das mediações realizadas no âmbito da Oi”, destacou. Em seguida, o juiz Fernando Viana relacionou o “Instituto da Recuperação Judicial com a compatibilidade do sistema da Mediação”. O magistrado fez referência à experiência com a aprovação de forma expressiva dos credores. “É da essência da recuperação judicial que exista uma negociação entre credores e devedores, são eles que vão resolver tudo. Dentro desse sistema, pela primeira vez, com uma celeridade extraordinária, verificamos uma compatibilidade do instituto da recuperação judicial com a mediação”, esclareceu. Para a professora de negociação e arbitragem e coordenadora técnica do Núcleo de Mediação da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Juliana Loss, é de grande relevância o trabalho dos envolvidos no evento da Fonamec. “Todos proferimos ideias e podemos melhorar cada vez mais com novas formas de resolução de conflitos, e sobretudo, quero destacar que esse foi um projeto nacional estendido para o âmbito internacional, após convite para apresentação em Portugal”, disse. Ministro defende meio alternativos A palestra de encerramento do Congresso Internacional sobre Inovação e Mediação foi feita pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e corregedor nacional de Justiça, João Otávio de Noronha. Ele falou sobre a importância de a Justiça ser eficaz e célere. “Para a Justiça ser eficaz é preciso que ela seja célere. Queremos uma Justiça mais humana, mais próxima do cidadão, e a mediação faz isso”, afirmou. O ministro disse que é muito importante termos meios alternativos de solução de conflitos, pois não há outra maneira de a Justiça conseguir dar conta de todos os processos. “Entendemos, hoje, que a arbitragem, a mediação e a conciliação são ótimos recursos substituíveis da Justiça. Os magistrados têm o monopólio da jurisdição, mas não da Justiça”. Após a palestra, o desembargador César Cury deu posse ao novo presidente do Fórum Nacional da Mediação e Conciliação (Fonamec), juiz Paulo Cesar Alves das Neves, do TJGO; ao primeiro vice-presidente Alexandre Lopes de Abreu, do TJMA; e ao segundo-vice presidente, juiz Raduam Miguel Filho, do TJRO. Fotos: Brunno Dantas/ TJRJ e Felipe Cavalcanti/TJRJ SV/SF/AB
08/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  190724
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.