Quarta-feira
17 de Janeiro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
36ºC
Min
23ºC
Poss. de Panc. de Ch

Quinta-feira - Rio de ...

Máx
37ºC
Min
23ºC
Predomínio de

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,22 3,22
EURO 3,93 3,93
LIBRA ES ... 4,43 4,43
GUARANI 0,00 0,00

Últimas notícias

Corregedoria avalia metas para infância e juventude do Sergipe

Duas metas estabelecidas pela Corregedoria Nacional de Justiça para 2017 foram tema de uma reunião, no último dia 31/10, na Corregedoria do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE). A meta 5 trata de prazos das medida socioeducativa e a meta 7 prevê a fiscalização do cumprimento do prazo legal de 120 dias para encerramento das ações de destituição e suspensão do poder familiar. “O objetivo da reunião foi conversar sobre a necessidade de otimizar e uniformizar o fluxo das demandas pertinentes à infância e juventude, na perspectiva de cumprimento das metas estabelecidas pelo CNJ. Demos um passo importante na reunião porque, a partir do que foi deliberado, poderemos monitorar os processos referentes à infância e juventude e, assim, estabelecer estratégias de enfrentamento”, disse a Juíza Iracy Mangueira, da Coordenadoria da Infância e Juventude (CIJ), do TJSE. Para a Corregedora Geral do TJSE, Desembargadora Iolanda Guimarães, a reunião foi bastante produtiva. “É muito importante para os Tribunais que as rotinas sejam padronizadas, especialmente quando tratamos de ações que se referem à proteção da criança e do adolescente. A Corregedoria do TJSE está trabalhando para o cumprimento das metas que foram estabelecidas pela Corregedoria Nacional para este ano”, ressaltou. Segundo o diretor de Modernização do TJSE, Adriano dos Santos Leal, foi deliberado na reunião que a Corregedoria Geral de Justiça autorizará a Coordenadoria da Infância e Juventude a acrescentar o assunto processual ‘acolhimento institucional’ em todos os feitos, de todas as competências, que versem sobre menores acolhidos em instituições. A medida contribui decisivamente para a manutenção de informações precisas sobre o universo de processos que envolvem o monitoramento das metas acima mencionadas. Trata-se de um importante passo no aperfeiçoamento da gestão da temática. Metas As metas da Corregedoria Nacional de Justiça para 2017 foram apresentadas, no dia 6 de dezembro de 2016, durante o 10º Encontro Nacional do Poder Judiciário. As sete metas foram construídas com ênfase nos assuntos relacionados a crianças e adolescentes, pois apesar das inúmeras discussões sobre o tema, as políticas para juventude no Brasil ainda apresentam dificuldades. Confira a íntegra das metas 5 e 7: Meta 5: controle de prazos na medida socioeducativa: as corregedorias deverão criar mecanismos de controle do prazo máximo de 45 dias para internação provisória do adolescente e reavaliação na execução. Meta 7: as Corregedorias estaduais e as Coordenadorias da Infância e Juventude nos estados deverão fiscalizar o cumprimento do prazo legal de 120 dias para encerramento das ações de destituição. E as demais Metas: Meta 1: implantação do Processo Judicial Eletrônico das Corregedorias de Justiça (PJeCor): a partir do dia 3 de abril de 2017, deverão tramitar no sistema PJeCor todos os procedimentos disciplinares novos. A proposta teve como base a falta interoperabilidade entre os sistemas das corregedorias dos persos ramos da justiça. Meta 2: apreciação colegiada das decisões liminares: ações ou recursos nos quais forem proferidas decisões monocráticas concessivas de liminar ou de antecipação de tutela deverão ser julgados no prazo de 60 dias. Meta 3: automatização de cadastros: os tribunais adaptarão seus sistemas informatizados de tramitação processual, a fim de permitir o envio automatizado de informações ao Cadastro Nacional de Condenações Cíveis por Ato de Improbidade Administrativa e Inelegibilidade (CNCIAI) e ao Sistema Nacional de Bens Apreendidos (SNBA). Meta 4: unificação dos dados de crianças e adolescentes por meio de CPF: até 31 de junho de 2017, as corregedorias deverão promover mutirões visando à regularização da documentação de crianças e adolescentes em programas de acolhimento ou socioeducativo. A partir desta data, também será obrigatória a inserção do número de CPF nas respectivas guias. Meta 6: cooperação jurídica nacional: as justiças estadual, do Trabalho e Federal deverão estabelecer, semestralmente, ações conjuntas de cooperação nacional por meio da implementação de projetos comuns e/ou de justiça itinerante.
09/11/2017 (00:00)
Visitas no site:  122457
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.