Sexta-feira
17 de Agosto de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,74 3,74
EURO 4,37 4,37
LIBRA ES ... 5,00 5,00
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Condenado a 67 anos por estupro de vulneráveis

A 2ª Turma de Direito Penal do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA), sob a presidência do decano, desembargador Milton Augusto de Brito Nobre, manteve por unanimidade de votos nesta terça-feira, 6, a condenação de Nivaldo Leal de Barros a 67 anos e 10 dias de reclusão em regime fechado pelo crime de estupro de vulnerável. O processo teve a relatoria do desembargador Ronaldo Marques Valle, que teve o voto acolhido em todos os termos pela turma, composta também pelo desembargador Rômulo Ferreira Nunes. O réu foi condenado por abusar sexualmente de três vítimas, duas delas já na adolescência, mas que eram abusadas desde a infância. A defesa do réu protocolou apelação contra a sentença do juízo da Vara Criminal de Benevides, alegando que a condenação se baseou apenas nos depoimentos das vítimas e de seus pais. O procurador de Justiça, Francisco Barbosa de Oliveira, manifestou-se pelo improvimento do recurso. O relator considerou que o magistrado que condenou o acusado baseou-se em provas concretas de autoria delitiva pois, além dos depoimentos, laudos forenses também comprovaram a violência. O desembargador Ronaldo Valle também afirmou que a alegação de que o depoimento das vítimas carece de credibilidade por estas serem adolescentes não se sustenta. “(...) Não cabe a alegação de que se trata de mera invenção de adolescentes, principalmente porque nos crimes contra a liberdade sexual, praticados às escondidas e na clandestinidade, a palavra da vítima é dotada de especial valor probatório, (...)”. No Brasil um condenado não pode permanecer mais do que trinta anos preso, entretanto, a pena aplicada no caso, de 67 anos e 10 dias de reclusão, é levada em conta quando do cálculo para a aquisição de benefícios penais, como a progressão de regime, por exemplo.
Fonte:
TJ Para
06/02/2018 (00:00)
Visitas no site:  167330
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.