Quarta-feira
20 de Junho de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Domingo - Rio de Janei...

Máx
24ºC
Min
20ºC
Chuva

Segunda-feira - Rio de...

Máx
21ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,74 3,74
EURO 4,37 4,37
LIBRA ES ... 5,00 5,00
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Comissão debate adoção consensual

Vitor Fraga A adoção consensual – quando a genitora ou os genitores optam por entregar a criança para uma determinada pessoa, havendo uma escolha de quem vai adotar – tem sido alvo de muitas discussões no Poder Judiciário, e apesar de o Superior Tribunal de Justiça (STJ) garantir a jurisprudência, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) teria entendimento contrário. A polêmica foi pauta do evento realizado pela Comissão dos Direitos da Criança e do Adolescente (CDCA) nesta segunda-feira, dia 5, no Plenário Evandro Lins e Silva. O encontro foi transmitido pelo canal da OAB/RJ no Youtube. Segundo a comissão, o MPRJ vem instaurando procedimentos administrativos e inquéritos civis com relação a essa entrega de crianças em adoção. A advogada especializada em Direito de Família Natália Franco, o vice-presidente da CDCA, Felipe Fernandes, e a psicóloga da 1ª Vara da Infância, Juventude e Idoso do Rio de Janeiro Erika Piedade foram os palestrantes. A presidente da mesa foi a integrante da CDCA e também do GT Mulheres Negras da OAB Mulher Angela Borges. “O tema é controvertido, com pouco material doutrinário. Não confundir adoção consensual com ‘adoção à brasileira’, que consiste no registro de filho alheio como se fosse seu próprio, e isso é crime. Outro ponto importante na discussão é a diferença entre a entrega e o abandono. E nessa semana, em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, é preciso refletir sobre o julgamento sobre a mulher que escolhe entregar seu filho para adoção. O Direito não pode ignorar situações fáticas, não pode virar as costas para esse tipo de situação recorrente. É preciso acolher, compreender. Por que o Estado seria mais habilitado para fazer essa escolha do que a mulher?”, afirmou Natália.
06/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  153550
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.