Terça-feira
22 de Maio de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,75 3,75
EURO 4,41 4,42
LIBRA ES ... 5,05 5,05
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

Cármen Lúcia entrega relatório de atividades do CNJ ao Congresso Nacional

A ministra Cármen Lúcia, presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), entregou nesta segunda-feira (05/02), ao presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira, o relatório anual de 2017 de atividades do CNJ, em cerimônia de abertura do ano legislativo. No documento, de 208 páginas, são apontados dados estatísticas do Poder Judiciário e um conjunto de ações desenvolvidas pelo Conselho no ano passado. Em 2017, o CNJ realizou 24 sessões presenciais, nas quais foram julgados 146 processos, e 11 sessões virtuais, que resultaram no julgamento de 226 processos. Há 28 Processos Administrativos Disciplinares (PADs), que são aqueles que podem acarretar em punições à magistrados, em tramitação no Conselho. Destes, durante o ano passado, foram julgados 16 , sendo que 11 resultaram em punições a juízes. Entre outras as ações apontadas no relatório, está a instituição do Banco Nacional de Monitoramento de Prisões, um cadastro nacional das pessoas privadas de liberdade em todo o país, alimentado em tempo real pelos juízes e organizado pelo CNJ, com objetivo de trazer mais segurança à sociedade e eficiência para o Judiciário. A plataforma digital do Poder Judiciário, que estará presente em todos os Estados até março do ano corrente, reunirá em um só cadastro os dados sobre a população carcerária brasileira. Violência contra a mulher O documento entregue por Cármen Lúcia detalha várias ações do poder Judiciário, sob a coordenação do CNJ, para o enfrentamento à violência contra a mulher. O Conselho instituí, por meio da Portaria CNJ n. 15, de 8 de março de 2017, a Política Judiciária Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres no Poder Judiciário. A XI edição da Jornada Maria da Penha realizada em 18 de agosto de 2017, também, foi mencionada. Ao longo das oito semanas, imprimiu-se maior celeridade aos julgamentos nos casos de violência doméstica e familiar contra a mulher. Em uma década, entre a edição da Lei Maria da Penha, em 2006, e dezembro de 2016, o número de varas e juizados exclusivos em violência doméstica e familiar passou de 5 para 111. Crise carcerária Diante das atrocidades cometidas em unidades prisionais da região Norte em janeiro do ano passado, o CNJ criou, em março, o Grupo Especial de Monitoramento e Fiscalização (GEMF) do sistema prisional da Região Norte, com os objetivos de acompanhar inspeções em unidades penais indicadas com problemas mais graves. Além disso, criou o programa Choque de Justiça, uma ação coordenada para que os Tribunais de Justiça revisassem todos os processos relativos a presos provisórios no período entre janeiro a abril de 2017. Em relação às mulheres em situação de privação de liberdade, foi realizado pelo CNJ, também em março passado, um diagnóstico que apontou a existência, no sistema prisional brasileiro, de 402 mulheres gestantes; e 218 com filhos menores. Em dezembro, o diagnóstico foi atualizado e revelou que 373 estão grávidas e 249 amamentam seu filho. No banco de dados não consta o número de mulheres em prisão domiciliar. Em 2017, a sétima edição do Prêmio Conciliar é Legal, lançado pelo CNJ em 2010, como parte da Semana Nacional de Conciliação, reuniu quase 100 projetos, dos quais 14 foram selecionados vencedores. A premiação está alinhada à Resolução CNJ n. 125, de 29 de novembro de 2010, que dispõe sobre a Política Judiciária Nacional de Tratamento Adequado dos Conflitos de Interesse no Âmbito do Poder Judiciário. Depoimento especial O CNJ adotou medidas para auxiliar os tribunais de todo o País na implementação do depoimento especial, uma técnica humanizada para oitiva de menores vítimas de violência e abuso sexual. O depoimento especial passou a ser obrigatório com a Lei n. 13.431/2017, que prevê o prazo de um ano para a adoção da escuta especializada. Antes da lei, os juízes já usavam amplamente o depoimento especial com base na Recomendação n. 33, de 2010, do CNJ. Números e metas O Relatório Justiça em Números 2017, um dos principais produtos do CNJ, foi lançado no dia 4 de setembro de 2017, tendo como informações os dados do ano-base 2016. O CNJ desenvolveu ferramenta virtual para gestão dos processos que tramitam no STF, pela qual, para cada ministro, é possível identificar os processos do acervo por classe, status, tempo de tramitação e localização atual. Além disso, o painel interativo “Módulo de Produtividade Mensal” passou a concentrar informações detalhadas de todas as unidades do Poder Judiciário.Para acompanhar a execução da Estratégia Nacional do Poder Judiciário, o CNJ realizou, durante o ano passado, o monitoramento das metas Nacionais de 2017. A meta 1, por exemplo, que determina “julgar quantidade maior de processos de conhecimento do que os distribuídos no ano corrente”, foi cumprida em 104,18% por tribunais dos cinco segmentos de Justiça - Eleitoral, Estadual, Federal, Militar e do Trabalho - e pelos tribunais superiores. Os presidentes e representantes dos tribunais de todo o País definiram, em novembro, durante o XI Encontro Nacional do Poder Judiciário, em Brasília/DF, as Metas Nacionais para o Judiciário brasileiro alcançar em 2018. Luiza FarielloAgência CNJ de Notícias
06/02/2018 (00:00)
Visitas no site:  148640
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.