Sexta-feira
18 de Janeiro de 2019 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 4106-2842
WhatsApp/Telegram/SMS: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
34ºC
Min
25ºC
Pancadas de Chuva a

Sábado - Rio de Janei...

Máx
36ºC
Min
25ºC
Parcialmente Nublado

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,76 3,76
EURO 4,28 4,28
LIBRA ES ... 4,85 4,85
GUARANI 0,00 0,00

Últimas notícias

Acusado de extorsão mediante sequestro é condenado a 24 anos de prisão

Família de gerente de banco foi feita refém. Um homem foi condenado, sob a acusação de roubo, extorsão mediante sequestro e formação de quadrilha ou bando, a 24 anos e cinco meses de reclusão, no regime inicial fechado. Sua pena foi agravada por envolver uma criança de sete anos durante a execução dos delitos. A decisão é da 32ª Vara Criminal Central. Consta na denúncia que a vítima, gerente de um banco, voltava de seu trabalho quando foi abordada pelo réu e comparsas. Os integrantes da quadrilha obrigaram-no a seguir até seu apartamento e lá roubaram uma série de objetos e fizeram sua esposa e filho de reféns. Durante a ação o gerente permaneceu na garagem, em poder do réu. Durante todo o tempo teve uma arma apontada contra sua cabeça. Em seguida a família foi encapuzadas e levados até o cativeiro, onde permaneceram durante a noite. Pela manhã a vítima recebeu ordem de ir até o banco em que trabalha e sacar R$ 500 mil para pagar o resgate aa esposa e filho. No entanto, ao chegar à agência o gerente acionou a polícia e relatou o que se passava. As negociações levaram à libertação dos reféns sem que o resgate fosse pago. Algum tempo depois, a polícia desbaratou e prendeu uma quadrilha especializada em roubo a bancos. A vítima foi chamada à delegacia e reconheceu o acusado. Na fase de inquérito e em juízo o acusado negou qualquer participação no crime, afirmando ter sido reconhecido equivocadamente. Suas versões não foram suficientes para convencer o juiz Claudio Juliano Filho, pois “as vítimas ouvidas em juízo reconheceram o acusado sem sombra de dúvidas como um dos autores do delito”. Cabe recurso da sentença. Processo nº 0086972-27.2017.8.26.0050
05/02/2018 (00:00)
Visitas no site:  198000
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.